loader image

Empresas podem demitir quem não se vacinar contra Covid-19

Pessoas Anti VacinaO ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal(STF), emitiu uma importante decisão nesta sexta-feira (12). De acordo com ela, ficam nulos trechos da portaria que proíbe empresas de demitirem ou vetarem a contratação de pessoas por não terem tomado a vacina contra a covid-19. A portaria que impedia as empresas de fazerem isso foi publicada em 1º de novembro, pelo Ministério do Trabalho.

Com a decisão monocrática do ministro, que ainda será submetida ao plenário da corte, empregadores podem exigir o comprovante de vacinação de seus empregados. Na prática, isso garante segurança jurídica a empregadores demitirem ou não contratarem pessoas não vacinadas.

De acordo com Barroso, demitir quem se recusar a fornecer o comprovante é direito do empregador. Contudo, esse poder não é incondicional. Assim, escreveu o ministro:  “Registre-se, por importante, que o poder de rescindir o contrato de trabalho de um empregado, embora seja uma faculdade do empregador, deve ser exercido com moderação e proporcionalidade, em respeito ao valor social do trabalho”.

Diante disso, a exigência não deve ser aplicada a pessoas que tenham “expressa contraindicação médica” para não se vacinar, por exemplo.

Como funciona na prática?

Com a decisão de Barroso, empregadores poderão exigir o comprovante de imunização contra covid-19 dos empregados. Dessa maneira, também poderão demitir quem se recusar a fornecer o comprovante, desde que isso aconteça como última medida.

Na decisão, Barroso ainda frisa que não se pode comparar a exigência de vacinação contra covid-19 com outros tipos de discriminação, como a por sexo ou raça. “Esses últimos fatores não interferem sobre o direito à saúde ou à vida dos demais empregados da companhia ou de terceiros. A falta de vacinação interfere”.

Ao jornal Extra, Caroline Marchi, sócia da área trabalhista do Machado Meyer Advogados, comentou a decisão. Segundo ela, a determinação do STF traz segurança jurídica às empresas para manter o ambiente de trabalho saudável. Completa, que a decisão ganha importância em momento de retorno presencial em várias companhias.

“A decisão do STF reafirma pontos importantes referentes ao exercício da atividade empresarial como a livre iniciativa, o poder do empregador e o poder de direção e a subordinação a ele pelo empregado”, disse.

Decisão do Ministério do Trabalho

A portaria revogada por Barroso foi editada pelo Ministério do Trabalho no último 1º de novembro. Desde sua publicação, partidos políticos e sindicatos recorreram contra a medida no STF. O argumento é que a portaria seria inconstitucional. Barroso é o ministro relator das ações.

Neste link é possível ler a decisão da ADPF 898, do ministro Barroso.
Neste link é possível ler a Portaria MTP 620, de 01 de novembro de 2021.

Programas Sociais BR Programas Sociais BR Stories
Pesquise Artigos

Leia Estes ...

Vacina Contra Gripe Influenza

Vacinação Da Gripe Em São Paulo Calendário 2023

Sabemos que todos os anos há a vacinação contra a gripe Influenza, porém nesse ano de …

Vacina Contra Gripe Influenza

Divulgado o Calendário De Vacinação Contra a Gripe 2023

A campanha para a vacinação 2023 contra a Gripe segue no Brasil. Agora, depois do …

Comprovante de Vacinação

Programa Nacional De Vacinação de 2023: Cronograma Completo

Como explicamos aqui, a aplicação das vacinas bivalentes contra covid-19 no Brasil começarão no próximo …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *